6 FATOS QUE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA PRECISAM SABER ANTES DE SE FORMAR

estudante-de-psicologia-orientacoes

Você é estudante de Psicologia?

Em geral, quando entramos na universidade, carregamos conosco nossas crenças e expectativas em relação ao curso e como será nossa vida – pessoal e profissional – após a graduação. Nesse artigo eu irei apresentar apresentar algumas informações valiosas aos estudantes de Psicologia antes deles se formarem.

O que muitas vezes acontece é que, junto com a felicidade e a determinação, surgem sentimentos mistos de ansiedade e incerteza quanto ao que fazer antes, durante e depois da formação de psicólogo.

Perguntas simples como “posso atender apenas a demanda X ou Y?” Ou mais complexas como “Alugo um espaço ou monto minha clínica do 0?” Se tornam mais frequentes.

Ao se questionar, é normal que pensamentos apareçam, mas devido à incerteza e, na maioria dos casos, a falta de experiência (por ser a primeira graduação, por não ter trabalhado na área, por não conhecer o mercado, entre outros), eles podem ser limitantes e tomar conta de nós, “será que eu conseguirei ter minha clientela?”, “eu realmente estou preparado?”, “e se eu não conseguir?”.

Essas dúvidas aparecem com certa força e é preciso estar preparado, pois a verdade é que dentro da nossa área de atuação, na Psicologia como um todo, existe uma grande discrepância entre o que esperamos na graduação e o que realmente acontece, entre as expectativas que você criou ao longo do tempo e a realidade tal como ela é.

Pensando nestes aspectos, darei algumas orientações fundamentais, baseadas em minha experiência e nas pesquisas que fiz, para que você se sinta preparado para lidar com as adversidades tanto no nível pessoal como acadêmico/profissional.

Vamos lá?

estudantes-de-psicologia

6 FATOS QUE ESTUDANTES DE PSICOLOGIA
DEVERIAM SABER ANTES DE SE FORMAR

1
ESTUDANTE DE PSICOLOGIA
CUIDE DA SUA SAÚDE MENTAL!

 

Isso mesmo. Parece algo tão óbvio, não é mesmo? Mas não é. Pesquisas realizadas recentemente mostram que muitos universitários estão adoecendo no meio acadêmico. Prazos, rotina estressante, distância, cobranças, tudo isso são fatores de risco que potencializam o desgaste emocional em suas mais variadas formas e intensidade.

É necessário focar um tempo para si. Muitos dizem que não há tempo suficiente para cuidar de suas demandas, mas aí eu te questiono: Como você irá cuidar de alguém se não está bem? É preciso estar em dia com você mesmo. Todo estudante de Psicologia deve passar por psicoterapia enquanto estuda (pelo menos o adequado seria isso), para entender melhor suas demandas, suas potencialidades, limitações, para autoconhecimento e claro, para se familiarizar com o processo de terapia (primeiro enquanto cliente e futuramente como profissional).

Não estou dizendo que é fácil, eu sei que não é. Muitas vezes temos diversas obrigações e realmente fica complicado abrir mão de um tempo, porém, É NECESSÁRIO. Cuide-se. Procure ajuda especializada, converse bastante, entenda qual é o teu funcionamento, quais são suas virtudes e qualidades, como estão as suas emoções e como lidar com elas de forma assertiva.

Ao fazer isso, você melhora significativamente sua qualidade de vida e se desenvolve ainda mais, tendo recursos imprescindíveis para se tornar um bom profissional.

2
TUDO BEM NÃO SABER TODAS AS RESPOSTAS!

 

Quando estamos na graduação, queremos absorver todas as informações possíveis e isso é muito legal, admirável e importante, porém, é fundamental ter em mente que você não é obrigado e muito menos precisa saber de tudo. Você está em um processo de aprendizado, de conhecimento contínuo e tudo bem você não saber todas as respostas.

Digo isso pois quando estamos imersos no meio acadêmico, muitas pessoas – família, amigos, colegas, conhecidos – questionam o quanto você sabe, o quanto você deveria saber e até o que você faz ou deixa de fazer, utilizando afirmações do tipo “qual SUA OPINIÃO a respeito do assunto X?”, “você é psicólogo DEVE ter uma opinião formada sobre isso, não é?”, “você NÃO PODE pensar assim ou daquele outro jeito, você é psicólogo” ou “psicólogo pode FAZER isso?”.

O que você precisa ter em mente nesse momento é que somos seres humanos – assim como todos – e que você pode ser humilde e dizer que não sabe sobre determinado assunto ainda ou que você não tem uma opinião formada sobre aquela temática que todos estão falando, não é demérito nenhum, pelo contrário, só mostra o quanto você está disposto a aprender e o quanto a sua postura é assertiva, independente do caso.

3
VOCÊ VAI ENCONTRAR UMA ÁREA E UMA ABORDAGEM PARA VOCÊ!

 

Ao estudar Psicologia, nós nos deparamos com uma série de áreas de atuação como por exemplo, psicologia clínica, recursos humanos, hospitalar, do esporte, do trânsito e diversas abordagens para seguir psicanálise, cognitivo-comportamental, humanista, existencial, entre outras e calma, está tudo bem.

Você não precisa escolher logo de cara em qual área você quer ficar e qual abordagem seguir. Ao longo da graduação, você vai ter diversas disciplinas que irão abordar essas questões e aos poucos você vai sentindo sua afinidade aparecer para determinada área e/ou linha teórica.

No começo é normal você se sentir meio “perdido” devido a infinidade de possibilidade, mas com o tempo você irá encontrar aquela que você se identifica melhor, que gosta, compreende e que faz mais sentido para ti.

4
NÓS, PSICÓLOGOS,
PODEMOS SER COLEGAS E NÃO INIMIGOS!

 

Oi? Isso mesmo, eu explico. Nas graduações de modo geral – e não diferente na graduação de Psicologia – nós aprendemos desde cedo que aquele coleguinha, aquela coleguinha ali do lado é nosso concorrente, que disputará concursos conosco lá na frente, que disputará nossos estágios agora e que ofuscará nossa presença na sala.

NÃO, NÃO NÃO! Não pense assim. É claro que existem casos e casos, mas em vez de sermos inimigos e viver pensando que a vida é uma competição constante, tente se aliar aquelas pessoas que você gosta, que você admira, enfim, que tem alguma compatibilidade com você e com o que você acredita.

Quer saber o motivo de eu dizer isso? Eu digo, sem problemas. Um bom profissional não segura conhecimento, ele transmite, ele ensina, ele compartilha. Somos seres sociais, isso é um fato. Precisamos da interação humana.

Tanto na graduação como depois dela você poderá fazer parcerias bem interessantes, poderá ajudar seus colegas e ser ajudado por eles, conhecer novos profissionais, aprender e ensinar de modo geral e é como eu sempre digo: Se algo for para ser seu, ele vai ser seu. Apesar do mercado estar saturado e cheio de psicólogos por aí, tem espaço para todo mundo.

É possível se destacar sem puxar o tapete alheio. Destaque-se pelos seus potenciais, pelo seu diferencial e faça amigos pelo caminho. Tem coisa melhor?

5
TENHA UM PLANO DE CARREIRA!

 

A quinta orientação – e não menos importante – fala a respeito de planejar nossa carreira. Parece algo tão distante, mas não é e se tivermos um planejamento fica mais fácil de colocar tudo em prática. Quando falamos em plano de carreira, geralmente vem à mente plano de carreira dentro das empresas. O princípio é o mesmo, mas com algumas especificidades.

Quando nos formamos, independente de trabalhar em instituições, trabalhar para si mesmo ou para outras pessoas, é necessário ter um plano, uma meta a seguir.

O que você quer fazer? No que você se considera bom? O que você pode aprimorar? O que você espera? O que precisa realizar para alcançar?

Essas são perguntas-chave para criar um bom plano de carreira. Saber o que quer, onde e como chegar facilita muito a sua vida. Anote tudo em um papel, isto é, trace estratégias e objetivos a curto, longo e médio prazo.

6
SEJA DIFERENTE,
SEJA VOCÊ!

 

Outra afirmação que parece obvia – eu sei –, mas não é. (In)felizmente a Psicologia é um mercado que está cada vez mais saturado e que ainda sobrevive dentro de um modelo tradicional. Aos poucos esse cenário está mudando, porém, existe sempre existe um porém. Para você se destacar neste mercado, você precisa apresar uma proposta única.

Aquela velha história de fazer mais do mesmo, de fazer o que todos estão fazendo não só não dá certo como irá te frustrar caso dê errado.

Sabe aquela ideia que você teve, achou magnifica e guardou na gaveta? Lembra daquele desejo de escrever algo diferente que você acabou deixando para lá? E aquele projeto que você achou que não daria conta sozinho e desistiu antes mesmo de começar? ENTÃO. São essas coisas que fazem a diferença e te colocam em um patamar elevado.

É necessário se reinventar e ressignificar as situações o tempo todo. Tente pensar fora da caixinha, o que você gostaria de fazer que tem a sua cara e que há possibilidades plausíveis de ser concretizadas? Confie no seu potencial, seja diferente, seja você, seja singular no meio de plurais.

 

VÍDEOTERAPIA
UMA FERRAMENTA PARA ESTUDANTES DE PSICOLOGIA

 

estudante-de-psicologia-terapia-online

 

A Psicologia é uma Ciência uma proposta muito bem elaborada, desenvolvida e com resultados eficientes comprovados. Também é uma profissão oficial e regulamentada e que vem crescendo cada vez mais. Não é filantropia. Você pode ajudar as pessoas e ser reconhecido (pessoal, profissional e financeiramente).

É possível. Por isso compartilho essas dicas pois são informações que me auxiliaram muito quando eu me formei. Espero que elas possam te ajudar da mesma forma.

E, se mesmo lendo tudo isso você se sentir perdido ou quiser mais orientações, entre em contato comigo no formulário de email do meu consultório online.

Buscaremos alternativas viáveis para que você possa ter sucesso e estabilidade em sua vida pessoal e profissional, pois uma interfere diretamente na outra. Vamos conversar? 🙂

COMENTÁRIOS

comentários

Jessica Constantino de Paula

Sou Psicóloga Clínica, sob o enfoque da Terapia Cognitivo-Comportamental. Atuo na área da saúde mental com atendimento psicológico para adolescentes, adultos e idosos. Ênfase em Transtornos de Ansiedade, Desenvolvimento Pessoal e Empoderamento Feminino). A Psicologia é a minha grande paixão. Sempre foi. Sinto-me realizada em contribuir com o desenvolvimento humano em suas mais variadas formas, auxiliando, assim, na criação de novos horizontes existenciais para as pessoas (crp 12/16439).