TRANSTORNO DISMÓRFICO CORPORAL: 10 COMPORTAMENTOS QUE AJUDAM A IDENTIFICAR

 

A busca pelo corpo ideal pode levar a uma armadilha: a obsessão pela aparência física ideal. Ela poderá influenciar em muitas áreas de sua vida, levando a um prejuízo de suas atividades corriqueiras.

Embora o Transtorno Dismórfico Corporal seja relativamente comum, ele é por vezes, incapacitante e envolve uma percepção distorcida da imagem corporal.

As dicas abaixo vão ajudar a identificar se a sua preocupação com a aparência já extrapolou o limite tornando-se um transtorno e como a psicologia poderá ajudar a melhorar sua autoimagem e autoestima para que isso não se torne um impeditivo para sua felicidade e vida plena.

A MÍDIA
E A DITADURA DA BELEZA

 

Embora tenha mudado muito ao longo do tempo, sempre existiram padrões de beleza pré-determinados para enquadrar as pessoas e o que foge a isso está fora do padrão, não serve. É considerado quase que algo impróprio ou ¨errado¨.

A mídia ajudou a disseminar ainda mais a ideia de padrões estéticos. Todos os dias vemos homens e mulheres considerados modelo de beleza. Concurso de beleza onde meninas com perfil ¨correto¨ (alta, magra, e jovem) proliferam. Os filmes Holliwoodianos mostram vários heróis cada vez mais fortes, esculpidos por músculos.

A chegada da internet e a explosão das redes sociais, esses padrões passaram a ser observados de forma massiva. Agora, não só as atrizes, atores, misses e modelos que podem estar no padrão considerado de perfeição.

Sim, você aí do outro lado da tela, pode ser uma musa fitness ou um bodybuilding. Ter milhares de seguidores e de quebra ainda ganhar dinheiro com isso. A corrida as academias, procedimentos estéticos, cirurgias plástica entre outros, aumentou alarmantemente.

Adolescentes, homens e mulheres são expostos a tais corpos dos sonhos a todo momento. Isso faz com que haja uma inevitável comparação: o corpo-rosto perfeito passou a ser uma verdadeira obsessão a ser conseguida.

 

DA NECESSIDADE MODERNA DE SE ENCAIXAR NO PADRÃO DE BELEZA AO TRANSTORNO DISMÓRFICO CORPORAL

 

Mas é importante observar que há uma linha tênue entre a busca obsessiva por essa tal perfeição e um transtorno psiquiátrico chamado Transtorno dismórfico corporal.

O Transtorno Dismórfico corporal é do espectro do Transtorno Obsessivo Compulsivo.
Caracteriza-se por uma preocupação com defeitos na aparência física, despercebido por outras pessoas.
Levam a comportamentos repetitivos como checar a imagem no espelho ou comparando-se a outros.

Os quadros obsessivos-compulsivos caracterizam-se por ideias, fantasias e imagens obsessivas, por atos e rituais ou comportamentos compulsivos.

A origem desse transtorno pode se dar por uma predisposição genética, mas fatores ambientais também exercem grande influência.

Em muitos pacientes com o transtorno, a causa são os deboches, bullying que sofrem na infância e tomam proporções maiores nos adolescentes que são mais sensíveis a opinião alheia. Experiencias de abandono( real ou imaginário) que ocorrem na primeira infância também podem comprometer a formação da identidade e autoestima.

Os portadores desse transtorno se enxergam como extremamente feios. Essa distorção de imagem acaba causando sofrimento e prejuízo às suas vidas.

Geralmente as pessoas que sofrem desse transtorno tendem a serem mais perfeccionistas, tímidas, ansiosas e muito sensíveis à rejeição. Costumam apresentar baixa autoestima. Buscam a perfeição ideal recorrendo a inúmeros artifícios para isso.

transtorno-dismorfico-corporal-psicologa-online

10 COMPORTAMENTOS
QUE AJUDAM A IDENTIFICAR

O TRANSTORNO DISMÓRFICO CORPORAL

1
PREOCUPAÇÃO EXAGERADA E OBSESSIVA
COM A APARÊNCIA FÍSICA OU DETERMINADA PARTE DO CORPO

 

A extrema preocupação com a imagem corporal é sintoma nuclear do Transtorno Dismórfico Corporal. O alvo de sua atenção são em relação aos tais “defeitos” na aparência, que são praticamente inexistentes ou mínimos para as outras pessoa.

Homens e mulheres estão sujeitos a esse transtorno e de maneira geral, sofrem silenciosamente pois acreditam que é a única pessoa no mundo a passar por isso. No intuito de obter melhora recorrem, por vezes, a vários recursos para melhorar o que incomoda e nunca sentindo-se satisfeito com a imagem corporal ou determinada parte do corpo.

Em geral essa insatisfação apresenta-se em várias partes do corpo. Checa várias vezes sua imagem no espelho ou superfície que possa refletir a imagem para observar se ao menos está aceitável.

2
BUSCA INCANSÁVEL DE ALTERNATIVAS
PARA SOLUCIONAR O “DEFEITO” QUE ACREDITA TER

 

Visitas a médicos dermatologistas, plásticas, maquiagem e vários recursos na tentativa de mascarar ou minimizar o problema. Geralmente tenta-se de tudo para conseguir alívio daquela angústia, mas isso de fato nunca ocorre devido a distorção da imagem corporal.

Aquilo torna-se uma verdadeira obsessão, causando inúmeros prejuízos a vida das pessoas acometidas pelo transtorno.

Em geral nesta busca os profissionais, esteticistas, cirurgiões e afins acabam observando esses procedimentos como desnecessários.

3
INSATISFAÇÃO COM RESULTADO DE PLÁSTICAS
E PROCEDIMENTOS ESTÉTICOS

 

Insatisfação em relação a procedimentos estético, plásticas (as vezes refazendo várias vezes no mesmo local sem nunca sentirem-se satisfeitos com o resultado).

Não é raro encontrarmos pessoas que já realizaram mais de um procedimento estético ou mesmo plástica, não sentindo-se satisfeito após o procedimento realizado muitas vezes no mesmo lugar.

Caso isso tenha acontecido com você, pode ser um sinal de alerta para o TDC. E inclusive é desaconselhável realizar procedimentos cirúrgicos para fins estéticos em pessoas com esse transtorno.

4
EVITAÇÃO SAIR DE CASA PARA QUE SEU DEFEITO NÃO SEJA VISTO

 

Algumas pessoas acometidas pelo transtorno dismórfico corporal acabam deixando de frequentar festas e locais onde serão vistos por muitas pessoas.

Isso acaba levando a um isolamento social, já que acabam evitando sair de casa para que o suposto defeito não seja visto.

Alguns ainda preferem sair em horário noturno, já que tendo menos iluminação, a possibilidade de que seus defeitos serem percebidos diminui.

5
COMPARAÇÃO EXCESSIVA COM OS DEMAIS E PREOCUPAÇÃO COM A OPINIÃO ALHEIA

 

Os portadores do transtorno dismórfico corporal costumam comparar-se excessivamente com os demais, acreditando-se menos perfeitos.

Da mesma forma acabam sendo extremamente sensíveis a opinião alheia: se dizem que aquele cabelo ficava melhor nele ou qualquer outro comentário do gênero faz com que a pessoa sinta-se ainda pior em relação a aparência física e aos defeitos imaginários ou mínimos

Perguntam muito às pessoas sobre a aparência do seu corpo e quando dizem que está bem, acredita que estão sendo gentis.

6
PREJUÍZO NA VIDA OCUPACIONAL

 

Em geral as pessoas portadoras de TDC afirmam que tem dificuldades na vida profissional ou mesmo de manter um emprego devido a sua aparência física.

Alguns afirmam passar noventa e nove por cento do tempo pensando em seu defeito.

A preocupação com a aparência é tamanha que muitas vezes faz com que o indivíduo não consiga concentrar-se em suas atividades profissionais e sinta dificuldades em estar próximo de outras pessoas.

7
CRENÇA DE SER DEFORMADO

 

O transtorno dismórfico corporal também é conhecido como Complexo de Quasímodo. Lembrando a obra de Victor Hugo, ¨Corcunda de Notre Dame¨.

A pessoa com esse transtorno tem a crença de ser deformado tanto quanto o Quasímodo devido a distorção de imagem. Devido a essa distorção vivem criticando o próprio corpo.

Auto crítico com sua aparência chegando a usar artifícios para esconder essas deformidades: óculos escuro, chapéu, roupas, entre outros. Esconder seu defeito é seu propósito a todo custo.

8
BUSCA DE ATENÇÃO MEDICA PARA SUAS QUEIXAS

 

Na busca de resolver o problema, no caso seu “defeito”, já passou por diversos profissionais tais como: cirurgiões plásticos, dentistas, dermatologistas, endocrinologistas entre outros.

A busca é constante, mas nada parece solucionar o problema. Alguns profissionais como os que realizam cirurgias plásticas costumam reconhecer o transtorno e encaminhar para tratamento psicoterápico e psiquiátrico.

9
MUDANÇAS CONSTATES DE VISUAL

 

Uma característica que poderá ajudar é observar aquelas pessoas que mudam constantemente o visual. Mudam corte e cor dos cabelos com frequência, tentado assim ficar com uma aparecia mais aceitável.

Embora continuem insatisfeitos não importa a mudança que tenha realizado. Muitas vezes o TDC é confundido com vaidade excessiva, mas não é. Há um sofrimento e a pessoa só quer parecer aceitável. Por conta disso gastam muito tempo diariamente se arrumando.

10
DIETAS E EXERCÍCIOS EXCESSIVOS

 

Na tentativa de encaixar-se ou mesmo melhorar a sua deformidade, muitos portadores do transtorno dismórfico corporal fazem dieta e exercícios excessivamente e exercitam-se de maneira exagerada.

Nunca atingindo o objetivo a que se propõem, porque seu descontentamento com o corpo ou partes dele irá permanecer lá, não importa o que faça, deixando mais frustrado, deprimido e ansioso em relação a sua aparência .

 

 

transtorno-dismorfico-corporal-o-que-e

VÍDEOTERAPIA
UMA FERRAMENTA PODEROSA PARA AO SEU ALCANCE

 

Devemos observar quando a preocupação com a imagem ultrapassa o limite do bem-estar para algo que traz sofrimento e angústia, gerando comportamentos que interferem negativamente na vida da pessoa.

Se você se identificou com os sinais apresentados no texto, o tratamento indicado é Psicoterapia e por vezes uso de medicamentos se necessário. Esse desgosto em relação a aparência física pode consumir seu tempo e energia emocional, privando-o de outros prazeres da vida. No entanto, você não precisa passar por essa angústia e ansiedade sozinho.

Levar o tratamento do TDC a sério é de fundamental importância para que possa obter alivio dessas preocupações e melhorar significativamente sua qualidade de vida de maneira geral.

Questionar de onde vieram essas crenças e tentar entender ajudará no processo de melhora, e a psicoterapia contribuirá justamente para isso, para entender o porque dessa visão distorcida que causa tamanho sofrimento.

Hoje em dia, inclusive, se pode ter o apoio de um profissional de Psicologia através de vídeoconsulta. Uma modalidade de atendimento psicológico testada cientificamente em outros países e em nossa população que tem ajudado muitas pessoas a terem mais acessibilidade e mobilidade na hora de buscar terapia.

Conheça meu videoconsultorio. Poderemos caminhar juntos rumo a uma melhoria na sua condição para que possa sentir-se bem consigo e com os demais, tendo uma vida plena e feliz, livre desconforto em relação a sua aparência. Sentir-se bem em relação a você a aos outros está a seu alcance, basta querer.

COMENTÁRIOS

comentários

Kátia Casellato

Sou Psicóloga Clinica a 8 anos e meu objetivo com os atendimentos é a melhora da qualidade de vida dos meus clientes.A psicoterapia visa o desenvolvimento do individuo (CRP 06/99883).